Make your own free website on Tripod.com
  Bengalins

15-Fev-2006

Home
Agapornis Fischeri
Agapornis Personata
Agapornis Rosicollis
Bengalins
Caturras
Diamante Mandarins
Piriquitos Australianos
Piriquitos Ingleses
Comentarios

 

 Este pássaro de aparência discreta, mas cuja eficiência se processa de outra forma. Sem ele, muitas espécies praticamente não existiriam em cativeiro e por uma razão muito especial: ele é doído por sua prole. E não apenas pelos seus filhotes, mas também pelos de outros pássaros da mesma família, que ele cria sem o menor preconceito. Foramesses dotes de "pai adoptivo" que lhe valeram a consideração dos criadores não apenas no Brasil, como em todo do mundo.

 Afinal, Bengalin  é pai e mãe para toda hora. Originário da Ásia, este pássaro é membro da família dos Estrildinos e, ao contrário de muitas aves, surgiu graças à intervenção do homem. O Bengalin é resultado de uma selecção de criadores japoneses a partir da espécie silvestre Lonchura striata - raríssima hoje em dia.

Com aproximadamente 11cm de tamanho, ele habitava as regiões da Índia, China Meridional, Taiwan, sendo encontrado desde o Sul até Sumatra. Através da seleção, o Lonchura striata ganhou sua variedade doméstica, o Bengalin. O nome brasileiro deriva de designação francesa, Moineau du Japon (Pardal do Japão), mas há quem o conheça também por Capuchino do Japão. Na Inglaterra, o nome é Bengalese. Seja qual for a denominação, porém, o indivíduo em questão é o mesmo: um passarinho com ares humildes e coloração discreta, que vai do preto ao branco, passando pelo marrom e canela. As cores podem mesclar-se em formar um padrão uniforme ou absoluto; portanto, existem Bengalins  totalmente brancos, como outros branco e canela e até tricolores.


         Em ninho de
Bengalin sempre há lugar para filhotes - seus e de outros pássaros da família dos Estrildinos. Diamante Gold, Diamante Sparrow e Bavette, por exemplo, são espécies que por uma razão ou outra acabam não se reproduzindo em cativeiro. Quando muito, a maioria chega a botar ovos que estariam perdidos, não fosse a eficiência do nosso amigo. Amigável, o Bengalin deixa bem claro que a coisa mais importante em sua vida é a reprodução. É uma espécie terrivelmente prolífera, bem no estilo "família de coelho ou rato", que procria o ano inteiro - fazendo uma pausa apenas na época de muda de penas, que ocorre em geral no período de fevereiro a maio. Essa é uma das razões pelas quais os criadores de aves exóticas não abrem mão de seus Bengalins, tão importantes na hora de cumprir o ciclo da reprodução. Para começar a criação, o primeiro passo é separar os casais. Como o Bengalin não apresenta dimorfismo sexual (diferenças físicas entre macho e fêmea), o ideal é deixar vários exemplares adultos     ( com 4 ou 5 meses) juntos em uma gaiola comunitária.


         O primeiro que começar a cantar, emitindo um trinado curto - algo como tch-thc-tch abrindo levemente as asas e eriçando as penas da garganta e peito, provavelmente é um macho e deve ser posto numa gaiola à parte. Para diferenciá-lo, o criador pode usar um anel de metal preso a uma das patas ou identificá-lo pelas marcações coloridas. A partir daí, introduza um a um os outros exemplares, deixando que se ambientem por uns 20 minutos ou meia hora. Os que começarem a cantar, a exemplo do macho separado, também são machos. Os que permanecerem quietos são as fêmeas. O método, infelizmente, não é cem por cento garantido, pois o
Bengalin pode parear homossexualmente: dois machos chegam a construir um ninho e chocar os ovos de outros pássaros que forem colocados lá.
         

Alguns criadores afirmam que não é raro vários casais resolvem dormir num mesmo ninho (devido a sua queda por viver em bandos), podendo escolher um onde já existem filhotes. Nesse caso, ainda que involuntariamente, podem acabar sufocando a ninhada ou quebrando ovos. Para evitar isso, aconselha-se colocar dois ou três casais deBengalin junto a outros casais de espécies diferentes, controlando assim sua população. É bom lembrar que essa prática também pode ocorrer em outro problema: sendo uma ave com tanta facilidade para cruzar, pode acontecer de um Bengalin acasalar-se com um membro de espécie diferente, gerando filhotes híbridos. Isso aconteceria, por exemplo, com um Diamante Sparrow, gerando "pimpolhos" até muito bonitos.

Extremamente adaptável ao cativeiro, o Bengalin procria até em gaiolas pequenas (40 x30 x 30 cm). Basta então introduzir um ninho, que é uma caixa de madeira (cerca de 15 x 10 x 10 cm) com um furo na frente. Se o criador quiser, pode ajudar o feliz casal deixando à mão pedaços de 20 a 25cm de capim barba-de-bode - com o qual eles enfeitarão o ninho.
         

O Bengalin é um pássaro granívoro, por isso deve ser alimentado com uma mistura de sementes (alpiste, senha, painço), verdura (almeirão e chicória), e a famosa farinhada de canário, especialmente na época de reprodução. Para completar, um pote de areia ou pedra para o fornecimento de cálcio e sais minerais para esta ave, ou então, juntar cascas de ovo de galinha, levar ao forno (para esterilizar contra possíveis micróbios) e moer, pondo tudo numa tigelinha dentro da gaiola.
       

 A água do bebedouro deve ser trocada diariamente. E como o Bengalin adora tomar banho, o criador pode colocar na gaiola uma pequena banheira para que ele possa se divertir, tendo o cuidado de trocar igualmente essa água todos os dias. A água, nesse caso, também ajuda a manter a humidade necessária para que os ovos choquem. Só não é bom manter a banheira com filhotes no ninho, pois um deles pode cair e morrer afogado. Da mesma forma, a gaiola e o poleiro devem estar bem limpos. A bandeja precisa ser limpa com intervalos de um dia e o poleiro uma vez por semana (colocando-se, inclusive, um pouco de querosene no corte que fica preso à gaiola, evitando assim a proliferação de piolhos).
         

Feita a separação dos casais e construído o ninho, a fêmea do Bengalin passa por um período de incubação que varia de 13 a 18 dias, ao final do qual chega a botar até 8 ovos. Ela passa a contar também com a participação do macho para chocar os ovos. Nascendo os filhotes, convém reforçar a alimentação com a farinhada de canário. Ao término de 45 dias em média, os filhotes estão prontos para se alimentarem sozinhos e com isso devem ser separados dos pais. Inicia-se todo o processo novamente, contando desta vez com outros exemplares. Em geral, os criadores mais experientes mantêm uma média de 5 casais de Bengalin para cada casal de exóticos (Diamante Gold, Diamante Sparrow, Bavette), aumentado a probabilidade de coincidência entre os períodos de reprodução de uma espécie e outra. O processo todo acontece da seguinte forma: coincidindo a postura de ovos do casal de exóticos e de um dos casais de Bengalin, substitui-se os ovos do Bengalin pelos da outra espécie. Graças a seu instinto, pai e mãe Bengalin chocarão os ovos alienígenas como se fossem seus, sem descuidar dos filhotes durante todo o período de alimentação até chegarem à fase adulta.

Convém, entretanto, dar uma chance aos pais verdadeiros de demonstrar sua paternidade: é sempre bom esperar que o casal exótico choque seus ovos por alguns dias, para que conserve um comportamento mais próximo da natureza. Se isso não ocorrer, então são transferidos para o ninho dos Bengalins, que como sempre, fazem o serviço sem exigir remuneração.

 

 

 

Home Agapornis Fischeri Agapornis Personata Agapornis Rosicollis Bengalins Caturras Diamante Mandarins Piriquitos Australianos Piriquitos Ingleses Comentarios

 

Este site foi actualizado em 06-02-15